Mau egípcio

Origem: surgiu de uma tentativa deliberada de recriar um gato semelhante aos que figuram nas esculturas e pinturas do antigo Egito. Esta raça foi desenvolvida a partir de gatos provenientes do Cairo e, também, a partir do Tabby Estrangeiro que, por sua vez, foi criado a partir do Siamês Tabby Point. A palavra egípcia "mau" significa gato. É apreciado uma mancha em forma de besouro, situada entre as orelhas e que recorda os amuletos dos faraós.
Pelagem: curta e sedosa.
Cor: prateada com marcas escuras e bronze, com marcas marrom escuro.

Corpo: delgado, bem proporcionado e com aparência graciosa. Patas longas. Pés ovalados pequenos e bem delimitados.
Cabeça: alongada. As orelhas são grandes, retas e largas na base.
Olhos: ovais e inclinados.
Comportamento: é um animal muito ágil. Gosta de ser exercitar. É muito carinhoso.
Dono ideal: é um excelente gato para companhia. Ele encanta pela beleza e pelo fato de não dar muito trabalho, pois só exige os cuidados básicos que se deve ter com um animal.
Ambiente: precisa de espaço para se exercitar.
Reprodução: não se deve cruzar animais sem o padrão de cor característico da raça.
Adestramento: é um animal muito inteligente e facilmente adestrado.
Defeitos: olhos completamente orientais

Munchkin

Características: esta é uma raça novíssima, que vem chamando muita atenção devido às pernas muito curtas destes gatos, semelhante aos cães dachshund e bassethound. Seu nome significa algo pequenino e bonitinho, que é também o nome de um doughnut – aquela rosquinha que os policiais dos filmes americanos adoram comer.
Origem: resultou de um acaso da natureza e foi perpetuada nos Estados Unidos, no início da década de 80. Já havia sido registrada a presença de gato de pernas curtas na década de 30, na Inglaterra, e na de 50, na União Soviética. Mas os esforços para a manutenção das características da raça iniciou em Louisiana (EUA), quando uma professora acolheu duas gatas prenhas que fugiam de um Pit Bull. As duas tinham pernas muito curtas.
Pelagem e cor: apresentam pêlos curtos e de diversas cores.
Corpo: sua característica principal são as penas bem curtas, cerca de um terço do tamanho normal. São de porte pequeno e animais bem leves.
Cabeça: seu tamanho deve estar em harmonia com o resto do corpo, não sendo muito grande
Olhos: amendoados e de cor âmbar
Cauda: de tamanho médio.
Comportamento: seu temperamento é dócil, alegre, brincalhão e sociável. Convive bem com outros gatos, cães e estranhos. Não é nem muito ativo nem parado. Gosta de dar suas cochiladas, mas não dispensa uma boa brincadeira. É muito engraçado quando anda, pois sacoleja muito o traseiro, como se estivesse rebolando e, quando quer espiar algo com mais alcance, senta nas patas traseiras e levanta as dianteiras, como fazem os coelhos.
Sua brincadeira preferida é esconder objetos para depois encontrá-los. Estes objetos podem ser seu relógio ou um colar. Eles se divertem e os objetos não somem, pois são escondidos apenas nos lugares preferidos dos gatinhos, fácil de achar.
Ambiente: vivem bem em qualquer ambiente. Os criadores da raça dizem que as pernas curtas do Munchkin trazem algumas vantagens em certos momentos, pois eles não conseguem, como outros gatos de pernas compridas, pular em cima das mesas e fogão para roubar comida. Também têm mais dificuldade para pular a janela, podendo ser criado em apartamentos como mais segurança.
Cuidados especiais: estudos provaram que os gatos Munchkin não necessitam de nenhum cuidado especial devido às suas pernas curtas. Exigem os mesmos cuidados dispensados a outras raças de pêlo curto.
Reprodução: por se tratar de uma raça nova, muitos esforços têm sido feitos para que a reprodução aconteça apenas entre gatos de pernas curtas.
Adestramento: são facilmente adestrados.
Defeitos: problemas de formato de cabeça (sem harmonia com o corpo) e pernas curvadas para o lado de fora.

Pêlo curto brasileiro

O gato da raça pêlo curto brasileiro consiste na primeira raça de gatos a ser desenvolvida no Brasil e a se tornar mundialmente conhecida devido à docilidade de sua  espécie,  espírito brincalhão, confiabilidade, esperteza, inteligência e agilidade, além de excelente temperamento e comportamento. Antes de 1988, existiam nas ruas, praças, e jardins públicos do Brasil, gatos de pêlos curtos e longos  desenvolvidos sem os cuidados de uma raça pura, denominados "Vira-latas", oriundos de cruzamentos sucessivos e variados de diversos gatos, de pêlos curtos ou não, nativos ou trazidos da Europa. No ano de 1984, um criador de gatos de raça, Engenheiro Paulo S. Ruschi resolveu pesquisar os mais característicos exemplares destas espécies, os de pêlos curtos, em sua origem e transformação, partindo para uma análise e seleção de diversas amostragens constatadas no Norte, Sul e Leste Brasileiros na intenção de se iniciar a partir destes exemplares um estudo que permitisse a criação de uma raça de gatos autenticamente Brasileira e pura a partir de seu estabelecimento. A esta raça, Paulo Ruschi deu o nome de Pêlo Curto Brasileiro, hoje completa e totalmente diferente do antigo "vira-latas" . E ela hoje é reconhecida e admirada por todos os que a conhecem no Brasil e no exterior.

O começo: nos anos bem anteriores a 1500 AD, os gatos que habitavam a península Ibérica, mais precisamente Portugal e Espanha, eram descendentes do "Gato Selvagem Espanhol " ou "Felis Silvestris Iberia ", diferente do "Gato Selvagem Europeu" ou "Felis Silvestris Europeus" que habitava o restante da Europa

A viagem do descobrimento na visão de Paulo Ruschi: em 1500 AD vários bichanos Portugueses, descendentes do Felis Silvestris Iberia decidiram ajudar nas caravelas de Pedro Alvares Cabral a descobrir o tão procurado caminho para as Índias. E então se ofereceram ao navegador Pedro Alvarez Cabral para guardarem os porões dos navios contra os ataques dos roedores europeus também imigrantes, que ameaçavam os gêneros alimentícios que por sua vez garantiriam a sobrevivência dos navegadores e o conseqüente sucesso da expedição.

Tipo: Aparência geral de um gato saudável, levemente esbelto, rápido e elegante.
Corpo: Firme, tamanho médio, não compacto, e ligeiramente esbelto.
Pernas: Pernas firmes, não demasiadamente musculosas, comprimento médio, pés de tamanho médio e arredondados.
Rabo: Comprimento médio a longo, não grosso na base, afinando para o final.
Cabeça: Tamanho pequeno a médio, sendo mais comprida do que larga, levemente em forma de cunha.
Orelhas:  Orelhas grandes, com tufos de pêlos dentro delas, colocadas quase retas para cima. Sua altura é maior do que o comprimento da base.
Olhos: Forma arredondada. Todas as cores são aceitas. A distância entre os dois olhos é de um olho e meio um do outro.
Nariz: Tamanho médio a grande com uma leve curvatura na base.
Pescoço: Comprimento médio a grande, não musculoso. Apenas firme.
Queixo: Forte queixo.
Bochechas: Levemente desenvolvidas.
Pelagem:  Curta, sedosa, bem fechada, deitada junto ao corpo. Sem subpêlo.
Faltas: Rabo anormal ou com nó, acentuado stop (quebra/depressão) na base do nariz, sub-pêlo, corpo compacto.
Cores: Todas as cores são aceitas. Preferência será dada às já conhecidas.
Temperamento: Ativo, dócil e amigo.
Desqualificação: De acordo com as regras gerais para show e criação.

Persa

É a raça preferida no mundo, sendo a mais alterada pelo homem e a menos parecida com os felinos tradicionais. Sua popularidade é tanta que a quantidade de seus registros supera a de todos os outros gatos de raça juntos. Somente no Brasil, os persas superam 90% dos registros na maior organização de nosso país, o Clube Brasileiro do Gato.
Origem:
os primeiros gatos de pêlo longo e com formas mais esguias chegaram à Europa no século XVI, trazidos de Ankara, na Turquia. Logo depois, lá aportaram também outros de pêlo longo, mais robustos vindos da Pérsia, atual Irã. Ambos foram cruzados e seus descendentes deram origem ao Persa atual. Aqueles que vieram da Turquia formaram a atual raça, Turkish Angorá, hoje um tanto diferente de seus ancestrais.
Pelagem: densa, com pêlos bem longos, finos e sedosos, que podem formar nós com facilidade, caso o dono não os escove diariamente.
Cor: a diversidade de cores é muito grande. No início, só haviam cores sólidas (únicas). Hoje, já são reconhecidas mais de 100. Entre as mais comuns temos o chinchila (branco), o brow classic tabby (rajado marrom), tortie (cor de casco de tartaruga) tortoiseshell-and-white (atartarugado e branco), spotted tabby (rajado pintado), bicolor, azul, azul-creme, creme, esfumaçado, camafeu, preto, chocolate e outros. A cor da pelagem deve ainda combinar com uma determinada cor de nariz e dos coxins (preta, azul, chocolate, rosa e cor de tijolo).
Corpo: linhas robustas e arredondadas. Pernas curtas e retas. Peito profundo e maciço. Abdômen curto e arredondado. Costas retas.
Cabeça: deve ser redonda e muito maciça, com caixa craniana muito ampla e larga. Orelhas pequenas; bochechas fortes. O focinho é bem curto - deve ter praticamente a mesma medida de comprimento e largura -, o que dá a aparência de nariz achatado, típico da raça.
Olhos: grandes e ligeiramente arredondados. As cores aceitas são apenas azul, verde e cobre.
Cauda: curta (porém, proporcional ao tamanho do corpo) e carregada em um ângulo mais baixo do que as costas, mas nunca curva ou arrastando no chão.
Comportamento: gostam de brincar e subir em árvores. Por isso, precisam de espaço. Podem ser criados em apartamento, desde que o dono o leve para passear sempre.
Dono ideal: deve reservar alguns minutos do dia para cuidar do pêlo de seu gato.
Cuidados especiais: a escovação e banho são essenciais para a manutenção da saúde e beleza da pele e dos pêlos. Ajudam também a evitar o aparecimento de bola de pêlos no estômago, que pode causar gastrite crônica e obstrução do intestino. As pelagens dos persas de cor creme, azul e preta ficam queimadas se muito expostas ao sol. Para preservá-las, o ideal é que não tomem mais de uma hora de sol, restrito ao período da manhã.
Reprodução: deve-se ter cuidado no acasalamento dos gatos brancos com os dois ou apenas um dos olhos azuis, para evitar a surdez. Recomenda-se cruzá-los apenas com parceiros de olhos cor de cobre, para evitar filhotes brancos de olhos azuis, que são mais propensos ao problema de surdez.
Adestramento: os persas são facilmente adestrados desde que você se empenhe nas lições de adestramento, principalmente antes dele completar um ano de idade.
Defeitos: cara excessivamente achatada, o que causa: prejuízo à respiração devido as narinas estreitas; irritação e infecção ocular, por causa de ductos lacrimais estreitos ou sem orifício; problemas locomotores por falta de desenvolvimento do cérebro, devido à perda de espaço no crânio, e boca permanentemente semi-aberta pelo deslocamento dos maxilares. Prognatismo. Orelhas grandes. Peito estreito. Costas longas. Pescoço longo e delgado. Cor de olhos pálida. Olhos muito juntos.

Rex

Dois tipos de gatos de pêlo crespo são chamados Rex: o Cornish e o Devon; o Cornish é um oriental de pelagem ondulada; o Devon Rex também apresenta essa característica, mas, além de um pêlo mais áspero, tem uma inconfundível cara de duende;
o Cornish é afetuoso, enérgico e adora brincadeiras. O Devon também é bastante brincalhão, talvez até demais;
são aceitos todas as cores e padronagens, mas a cor dos olhos deve combinar com a cor do pêlo.

Rex cornish

Origem: esta raça teve início na Alemanha (Berlim), em 1946, com o nascimento de um filhote com pêlos anelados, que acabou caracterizando metade das ninhadas advindas de seus acasalamentos posteriores. Em 1957, filhotes da raça foram exportados para os Estados Unidos e a partir de então ficaram conhecidos no mundo inteiro.
Porte: médio.
Pelagem:
anelada, o que lhe dá um aspecto diferente de outros gatos. A pelagem é formada por quatro tipos de pêlos: os de proteção (longos, retos, espessos e afina uniformemente nas pontas); os da barba (finos desde a raiz e que se espessam antes de afinar na ponta); alguns da barba são dirigidos para baixo com um frisado, e os pêlos do corpo são finos e anelados.
Cor: todas as cores são aceitas, mas manchas brancas devem ser simétricas, salvo no caso do atartarugado e branco.
Corpo: é delgado, compacto e musculoso. Os membros são longos e retos, com pés ovalados e pequenos. A cauda é fina longa e pontiaguda, sempre coberta de pêlos anelados.
Cabeça: tem a forma triangular média com o comprimento cerca de um terço maior do que a largura. As orelhas são grandes e implantadas na parte alta da cabeça.
Olhos: são ovais e de tamanho médio. Devem ter uma cor que combine com a pelagem.
Comportamento: é dócil, inteligente e ágil.
Dono ideal: como não exige muito cuidado, pode ser alguém que não tenha muito tempo para cuidar do seu bichano. É muito independente.
Ambiente: precisa de espaço para se exercitar. Gosta de subir em muros e explorar telhados.
Cuidados especiais: é um animal muito fácil de cuidar e não exige nada em especial.
Reprodução: para manutenção da raça, é importante que só seja feito o cruzamento entre animais com a mesma pelagem.
Adestramento: é muito inteligente, porém gosta de ser independente. Embora aprenda rapidamente, só executa a tarefa solicitada quando quer.