DÚVIDAS HISTÓRICAS

Você sabe qual o caso de especulação financeira mais famoso da história?
Todo o estudioso de economia que se preze já estudou ao menos uma vez na vida o fatídico episódio da "tulipomania", quando uma inocente flor levou muitos holandeses à falência. A tulipa era uma flor confinada a jardins de nobres ou estufas de botânicos. Por volta de 1634, virou uma febre. A produção de variedades mais baratas deflagrou uma explosão de procura. A demanda coincidia com a prosperidade econômica holandesa. O melhor momento para comprá-las era entre junho - quando os bulbos eram arrancados - e outubro - tempo do plantio. Os investidores compravam no inverno para receber numa data futura, a primavera. A procura crescia. As pessoas compravam os bulbos sem nunca terem visto. Inúmeros atravessadores intermediavam as relações. O potencial vendedor negociava um contrato, com preço previamente estabelecido, para entregar os bulbos da tulipa a um comprador. Este por sua vez, negociava o contrato com outros investidores. O preço de uma determinada espécie de tulipa chegou a subir 1000% em dois anos. Holandeses trocavam terrenos, casas, produções agrícolas, criações de animais, quase tudo por tulipas. Em fevereiro de 1637, a festa acabou. Não se sabe exatamente as razões para a quebradeira geral, mas o fato é que começaram a circular rumores de que não existiriam mais compradores para os bulbos. Nos dias que se seguiram as tulipas não eram mais comercializadas, os contratos não foram honrados, a inadimplência disparou levando muitos holandeses à bancarrota.
Você sabe de onde surgiu a expressão cortina de ferro?
A expressão cortina de ferro era usada para se referir aos estados socialistas do leste europeu após a II Guerra Mundial. O termo nasceu em 1946, criado pelo primeiro ministro britânico Winston Churchill nos Estados Unidos: "De Settin, no Báltico, a Trieste, no Adriático, uma cortina de ferro desceu sobre o continente". A Cortina de Ferro reunia as repúblicas: Rússia, Armênia, Azerbaidjão, Belarus, Estônia, Geórgia, Cazaquistão, Quirguistão, Lituânia, Letônia, Moldávia, Tadjiquistão, Turcomenistão, Ucrânia, Uzbequistão e os estados satélites Alemanha Oriental, Polônia, Checoslováquia, Hungria, Bulgária e Romênia.
Você sabe que rainha teve o coração roubado por três séculos?
Foi a rainha inglesa Ana Bolena, esposa do rei Henrique VIII, que foi decapitada e teve o coração roubado logo após sua morte. O coração permaneceu escondido em uma igreja perto de Thetford, em Suffolk, na Inglaterra, durante três séculos. Em 1836, o coração foi descoberto e novamente enterrado na mesma cova.
Por que os meses têm esses nomes?
Janeiro, Fevereiro, Março, Abril, Maio, Junho, Julho, Agosto, Setembro, Outubro, Novembro e Dezembro. A maioria dos nomes dados aos meses tem origem no primeiro calendário romano, criado por Rômulo em 753 a.C. Esse calendário possuía dez meses e começava no mês de março. Foi Numa Pumpílio (700 a.C- 673 a.C.), segundo rei de Roma, quem introduziu mais dois meses ao início do ano e os batizou. Os meses mais antigos continuaram com seus nomes originais até que, mais tarde, alguns foram trocados para homenagear o imperador César Augusto.
Janeiro - Homenagem ao deus romano Jano, o guardião do Universo e o deus dos inícios, da primeira hora do dia e do primeiro mês do ano.
Fevereiro - Referência ao festival romano Februália, ou purificação, durante o qual se ofereciam sacrifícios aos mortos para apaziguá-los.
Março - Homenagem a Marte, deus da guerra. Durante vários dias, sacerdotes carregavam escudos sagrados em torno de Roma.
Abril - Há duas versões: homenagem a Afrodite, deusa do amor, a quem o mês é consagrado; e originado da palavra latina aperire, referência à abertura das flores, pois durante esse mês é primavera no hemisfério norte.
Maio - Homenagem à deusa romana Maia, mãe do deus Mercúrio.
Junho - Homenagem à deusa Juno, protetora das mulheres e da maternidade.
Julho - Homenagem ao general Júlio César. Antes da introdução dos meses janeiro e fevereiro, era chamado de quintillis, por ser o quinto mês.
Agosto - Homenagem ao imperador César Augusto. Chamava-se sextillis, o sexto mês.
Setembro - Do latim septem (sete), o sétimo mês, antes do calendário de Numa Pumpílio.
Outubro - Do latim octo (oito), o oitavo mês.
Novembro - Do latim nove, o nono mês.
Dezembro - Do latim decem, o décimo mês.
Você sabe o que é um shogum?
Os shoguns foram os dirigentes do Japão de 1192 a 1867. Originalmente, eram chefes militares que exerciam o poder de fato no país, enquanto o imperador detinha apenas a soberania formal.
Quando surgiu a primeira universidade?
A primeira universidade surgiu em Bolonha, norte da Itália, no final do século XI. Era a época em que o ensino na cidade se tornou livre e independente das escolas religiosas. Pouco depois, no século XII, os franceses fundaram a Universidade de Paris e começaram a surgir na França mais estabelecimentos. No Brasil, a primeira instituição de ensino superior foi a Escola de Cirurgia da Bahia, em 1808.
Você sabia que antes, no Brasil, criancinha ia para cadeia?
É, um código criminal de 1890 chegou ao absurdo de classificar as crianças de nove anos de idade como puníveis. Um jurista, Tobias Barreto, propôs no final deste século, que o grau de escolaridade fosse responsável pela consciência entre o que é certo ou errado. A instrução básica só terminava aos 18 anos. Em 1940, o Código Penal brasileiro adotou de vez os 18 anos.
Você sabe como era utilizado o pau-brasil explorado no período colonial?
A madeira do pau-brasil era empregada em obras de marcenaria fina, construção naval e em vigas, dada a sua forte resistência à umidade. Além disso, seu lenho de cor avermelhada foi largamente utilizado na fabricação de corantes para tingir roupas.
Você sabe o que é a mita?
A mita era um sistema de trabalho usado no Império Inca. Consistia, basicamente, no recrutamento de pessoas para trabalhos comunitários, como a construção de pontes, canais ou fortalezas. Os espanhóis, quando chegaram na América, de forma oportunista, usaram o mesmo expediente para forçar a população indígena a trabalhar nas minas de prata. O que era um costume incaico em benefício da população tornou-se em trabalho forçado que praticamente equivalia a uma condenação a morte. Cronistas da época dizem que de cada cem índios levados a realizar a "mita" nas minas, apenas dez ou vinte retornavam depois de uns meses. Voltavam e morriam geralmente depois de pouco tempo, em razão das precárias condições de trabalho.
Você sabe de onde surgiu a palavra Barroco?
A origem da palavra Barroco é motivo de polêmica. Há várias versões. A mais aceita diz que vem do vocábulo espanhol barrueco, que por sua vez deriva do português arcaico. Os joalheiros, no século XVI, usavam a palavra barrueco para designar um tipo de pérola irregular e de formação defeituosa. Em oposição à disciplina das obras do Renascimento, surge, no século XVII, uma diversificada produção artística caracterizada pela maneira livre e até mesmo sob formas anárquicas, de grande imperfeição e mau gosto. Esse período artístico é designado Barroco.
Você sabia que os incas montaram um império sem usar letras ou algarismos?
Os incas conquistaram e administraram um território com invejável competência que equivalia à superfície somada da França, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Suíça e Itália. Tudo isso sem conhecer números ou letras. Sabem como eles se comunicavam? Usavam um cordão de pouco mais de um metro de comprimento cheio de nós. A isso, davam o nome de quipo. Por esse método, era registrado, por exemplo, o tamanha de uma safra e as cores dos cordéis e a forma dos nós atribuíam qualidades à informação
Você sabe como os cientistas decifraram os hieróglifos?
Os hieróglifos (literalmente, "escritos sagrados") são anteriores a 3000 a. C. Era a escrita egípcia, que combinava pictogramas (desenhos estilizados de animais, plantas e flores) e fonemas (sinais que representam sons). Só puderam ser decifrados no século 19. Em 1804, Napoleão Bonaparte invadiu o Egito e levou consigo uma equipe de cientistas. Entre eles, estava Jean-François Champollion. Na cidade de Roseta, no Egito, foi encontrada uma pedra com inscrições em três línguas - uma delas era o grego. Champollion analisou comparou as línguas para chegar à tradução da Pedra de Roseta. Descobriu, por exemplo, que a escrita egípcia deveria ser lida da esquerda para a direita, mas o contrário era possível também. Desenhos da cabeça de pássaros e animais apontavam para a direção certa que o texto tinha de ser lido.
Por que o mês de agosto é considerado mês de desgosto?
O nome do mês foi criado pelos antigos romanos para homenagear Augusto, César Augusto, filho adotivo de Júlio César, a partir do qual o nome Augusto passou a designar todos os imperadores romanos. Coincidência ou não, ao longo da História vários fatos ruins marcaram o mês de agosto: - O episódio conhecido como a Noite de São Bartolomeu, 24/8/1572, em que a rainha católica Catarina de Médicis ordena o assassinato de mais de 3 mil protestantes em Paris, sem poupar mulheres ou crianças. - O estopim da I Guerra Mundial se deu nos primeiros dias do mês de agosto em 1914. - As duas bombas atômicas lançadas na II Guerra Mundial pelos Estados Unidos em Hiroshima e Nagasaki, no Japão, datam 6/8 e 9/8/1945. - O presidente Getúlio Vargas suicida-se, com um tiro no peito, na madrugada de 24/8/1954. - Jânio Quadros renuncia à Presidência da República em 25/8/1961, num gesto nunca explicado, alegando sofrer pressões de "forças ocultas".
Você sabe onde foram cunhadas as primeiras moedas?
Segundo o grego Heródoto, pai da história, as primeiras moedas de ouro e de prata foram cunhadas na Lídia, por volta do século VII a.C, berço de uma importante civilização que floresceu na região da atual Turquia. Foi uma grande novidade no Mediterrâneo, logo adotada como forma ideal para o comércio.
Você sabia que o inglês não era a língua materna da rainha Vitória?
A mãe da rainha, filha de um duque alemão, falava o idioma germânico em casa e, Vitória, embora tenha governado a Inglaterra por 46 anos, nunca conseguiu falar o inglês corretamente.
Brasil brasilidade busca coleções curiosidades dicionários
diversão Felipe folclore leis mensagens miscelânea