CURIOSIDADES  VÁRIAS

Síndrome de Jerusalém
Faz anos que psiquiatras e psicólogos começaram a estudar um bizarro fenômeno comportamental que ficou conhecido como a Síndrome de Jerusalém. Passados poucos dias de visita à chamada Terra Santa, alguns turistas e peregrinos subitamente começam a imaginar que são reencarnações de personagens bíblicos, chegando ao ponto de se vestirem com as roupas de cama dos hotéis para ficarem melhor caracterizados. Outros saem pelas ruas declamando os Salmos aos berros ou tentando pregar dogmas aos transeuntes. As autoridades estão preocupadas com uma possível eclosão recorde da síndrome no ano 2000, quando devotos virão de todo o mundo para celebrar o 2º milênio do nascimento de Jesus, o mais famoso dos Cristos. Acredita-se que 4.000.000 de pessoas visitarão Israel e a Palestina.

Crop circle no Canadá
Em 17 de outubro de 1998, o município de Lowville, em Ontario, no Canadá, foi pego de surpresa com o aparecimento de um agriglifo (misterioso efeito de achatamento geométrico numa plantação). No dia 22 de outubro de 1999, idêntico fenômeno ocorreu na região, atingindo um milharal com quase 3 m de altura. Produziu um grande agriglifo em forma de lágrima e outros de formato "discóide". Paul Anderson, do Circles Phenomena Research-Canada, disse que uma equipe de pesquisadores que esteve investigando no local teve três bússolas simultaneamente desviadas do polo norte terrestre quando fazia medições no interior da marca geométrica. Também encontrou uma substância fibrosa, esbranquiçada, debaixo de algumas plantas achatadas.

Descoberto palácio de 4000 anos na Síria
A Agência Árabe de Notícias da Síria divulgou que arqueólogos descobriram em Qatanah, a sudoeste de Damasco, ruínas de um palácio real que pode ter 4000 anos. O achado foi feito por uma equipe de profissionais alemães, italianos e sírios. A edificação, provavelmente Amorita, contém um amplo salão do trono, com cerca de 23 m x 44 m e paredes de 2 m de altura. No centro do salão estava preso ao solo um belíssimo jarro decorado. Os arqueólogos também trouxeram à luz nove sepulturas e várias moradias, com recipientes de barro e instrumentos de basalto para moer grãos. No jardim de uma das casas, acharam mais de 30 pegadas milenares.

Cabalistas oram por chuva e... Choveu !
Em novembro de 1999, cinquenta místicos judeus, estudiosos da Cabala, promoveram um ritual de seis horas de duração com o propósito de dar fim à pior seca da história de Israel. Os cabalistas circundaram o país sete vezes, à bordo de um avião, recitando antigas orações. Moshe Nimmi, membro do conselho religioso de Jerusalém, disse que o rito foi baseado nos relatos bíblicos da marcha de tropas ao redor de Jericó. Os combatentes deram sete voltas ao redor cidade para derrotá-la. Para assegurar o êxito dos trabalhos, os místicos jejuaram por três dias e visitaram o sepulcro de um importante cabalista. Poucas horas após a conclusão do ritual, começou a chover em várias regiões do país. A despeito do aparente sucesso da empreitada espiritual, os cabalistas continuarão orando.

Matança de "bruxas"
O jornal Nipashe ("Me informe"), redigido em kiswahili, noticiou em 19 de novembro de 1999, que pelo menos 34 pessoas foram assassinadas no oeste da Tanzânia sob acusação de bruxaria. Stephen Mashishanga, comissário na província de Tabora, diz que a maioria das vítimas eram mulheres idosas que tinham intensa vermelhidão nos olhos por causa dos muitos anos de exposição à fumaça das fogueiras de esterco, usadas como fogões. Os aldeões ignorantes costumam interpretar os olhos avermelhados das mulheres como um sinal de envolvimento com forças do mal. A Divisão de Investigações Criminais da Tanzânia afirma que pelo menos 101 homicídios vinculados ao extermínio de bruxas foram cometidos nos últimos oito meses na região leste da África. Sociólogos acreditam que muitos crimes foram cometidos com a finalidade de tomar as propriedades das anciãs. A polícia descobriu que algumas mortes estão ligadas ao macabro contrabando de pele humana para a Zâmbia, onde alguns acreditam que a pele atua como um amuleto de proteção contra os demônios.

Ataque de chupacabras no Brasil
O jornal O Estado de São Paulo (6 de novembro de 1999) informou que pode ter ocorrido mais um ataque do misterioso chupacabras na cidade de Sorocaba, SP. Na sexta-feira, 5 de novembro, 30 galinhas foram encontradas mortas, exangues, no Parque São Bento, com perfurações nos pescoços. O Sr. Laércio Longo, proprietário das aves, disse que nenhuma delas foi devorada e que todos os ovos depositados no galinheiro permaneceram intactos. Incidente semelhante ocorreu na cidade quatro meses atrás. O pesquisador Thiago Luiz Ticchetti entrevistou o Dr. Rodrigo Teixeira, veterinário do Zoológico Municipal de Sorocaba, e foi informado que o atacante pode bem ter sido um gato selvagem ou algum outro animal de porte similar. Disse que o sangue das galinhas pode ter sido aproveitado pelo predador ou absorvido pelo solo. O veterinário não parece inclinado a crer na existência de uma criatura misteriosa.

A "alma" dos macacos
The Sunday Times (21 de novembro de 1999) noticiou que cientistas encontraram evidências que alguns animais tem "alma". Os chamados "neurônios de auto-percepção", que foram descobertos na porção frontal do cérebro humano pelo Prof. John Allman, do California Institute of Technology (EUA), também foram localizados nos cérebros de grandes macacos. Tais células parecem integrar a atividade de distintas áreas cerebrais criando o senso de individualidade. Pessoas que tiveram esses neurônios danificados perderam a consciência de si mesmos e entraram num estado semi-vegetativo. Tomografias feitas em pessoas com distúrbios mentais revelaram diferenças nas atividades dessas células. O Prof. Allman estudou os cérebros de 28 espécies de primatas e de 20 outros animais, tais como cães, gatos e morcegos. A maior concentração dos neurônios foi encontrada em humanos, seguida pela dos chimpanzés. Não foram achados nos outros animais, conquanto se suspeite que elefantes e golfinhos também tenham.

Abominável homem das neves" era uma farsa montada por nativos do Everest
Os jornais deixaram de falar sobre iéti, o "abominável homem das neves", porque se descobriu que era uma fraude montada pelos sherpas, nativos que vivem no sopé do Everest. A não ser eles, não há quem tenha visto o iéti. Os sherpas vivem do turismo. Para alimentar o mito vendem, a bom preço, como sendo do homem das neves, pedaços de pele do urso azul, animal nativo da região.

Dinheiro público foi usado na construção de pista de pouso para extraterrestres em Nebraska, EUA
O governador de Nebraska, EUA, mandou construir uma pista de pouso para extraterrestres. Espera, em 1999, a visita de turistas da constelação de Alfa Centauro. É uma maneira criativa de justificar desperdício do dinheiro público. O governador não consegue explicar como soube da notícia, muito menos as especificações técnicas das naves visitantes para construir pistas de pouso adequadas.

Anotações do fotógrafo que registrou o monstro do Lago Ness revelam farsa
O enigma do monstro pré-histórico do Lago Ness, na Escócia, que intrigou o mundo, morreu com seu criador, Hugo Gray, no início dos 80. Em 1933, Gray, fotógrafo amador, exibiu fotos em que uma sombra gigantesca sugeria a existência do monstro no lago. Quando Gray faleceu, anotações encontradas entre seus papéis revelaram que ele montara a farsa com o intuito de atrair turistas.

amizade brasilidade busca coleções curiosidades dicionários
diversão Felipe folclore leis mensagens miscelânea