RAÇAS  DE  CAVALOS

Andaluz

O moderno Andaluz descendente do cavalo espanhol, o qual, como o árabe e o berbere, teve a maior influência sobre a população eqüina do mundo. Até o século XIX, o cavalo espanhol era considerado o melhor da Europa. Toda a equitação clássica das escolas do renascimento se baseava nele. A famosa escola de equitação de Viena é chamada ‘Espanhola’ em sua honra (spanische Reitschule), e seus famosos Lipizzaners brancos descendem diretamente de cavalos exportados da Espanha para Lipica, na Eslovénia, no século VI. O cavalo Espanhol teve influências dominante em quase todas as raças e é a base da maior parte dos cavalos existentes na América Latina.

Criação: na Anadaluzia, a criação está centrada em Jerez de la Frontera, Córdoba e Sevilha, onde foi preservada pelos mosteiros cartuxos. O cavalo Espanhol pode ter derivado de uma mistura do nativo sorraia com o tarpan e com os Berberes trazidos pelos mouros do norte da África.

Características: o Andaluz é um cavalo de grande presença. Embora não seja muito veloz, é ágil e atlético. Tem uma cabeça de extraordinária nobreza, o perfil característico, dito ‘de falcão', crina e cauda longa, luxuriantes, e, com freqüência, aneladas.

Influências: Berbere. Responsável principal pelo ardor, bravura, robustez e grande agilidade. Sorraia: Fundamento ‘primitivo’ da raça, deu-lhe força e notável resistência.

Altura: média é cerca de 1,57 m.

Cores: tordilho, castanho, alazão.

Usos: sela, touradas, adestramento, shows..

Anglo-árabe

O anglo-árabe é uma raça resultante da mestiçagem do Árabe e de seu descendente, o PSI (Thoroughbred), que combina as melhores qualidades dessas raças de elite. Do árabe espera-se que ele herde a resistência, a versatilidade, a frugalidade no trato e os cascos densos; do PSI a estatura maior e a velocidade. De ambos a habilidade atlética para os esportes hípicos.

Criação: a raça originou-se e aperfeiçoou-se na França, onde os anglo-árabes são criados sistematicamente desde os tempos napoleônicos nas grandes coudelarias do sudoeste, em Pau, Pompadour, Tarbes e Gelos desde o ano de 1800. Os primeiros anglo-árabes são o cruzamento de éguas PSI com os garanhões árabes (nunca o inverso), importados do Egito por Napoleão Bonaparte e seus generais. Já em 1836 a criação francesa era famosa, tornando-se necessário a introdução de novas linhagens par refrescamento do sangue. Foram importados dois magníficos árabes do oriente próximo Massoud e Aslan e três éguas PSI Dair, Common Mars e Selim. Por volta de 1850 a raça foi considerada formada e os cruzamentos com árabes ou PSI puros passaram a ser cortados.

Características: na aparência o anglo-árabe tende mais para o PSI. Sua fronte é reta (e não côncava como o árabe), e sua estatura elevada. Os ombros são inclinados e fortes, as pernas longas e bem formadas com ossatura e cascos de boa qualidade, bons pulmões e excelente coração. São versáteis cavalos de sela, prestando-se para corridas em hipódromos, provas se salto de obstáculos, adestramento clássico e pólo. Na França os anglo-árabes têm corridas especiais, e seu stud book não aceita produtos com menos de 25% de sangue árabe ou thoroughbred.

Influências: thoroughbred. Colaborou com tamanho, decisão, galope e potencial competitivo. Árabe: solidez, vigor, resistência e temperamento calmo.

Altura: varia entre 1,62 e 1,67 m.

Cores: tordilho, castanho, alazão

Usos: sela, desportos hípicos.

Alter-real (sub-raça)

Como o nome surge, a raça alter-real foi criada para servir à realeza. Além do porte majestoso, o cavalo ‘real’ devia ter índole e a movimentação ideais para a escola clássica de equitação.

Criação: a raça data de 1748, quando foi fundada pela dinastia de Bragança em Vila de Portel, no Alentejo, Portugal. Em 1756, o haras transferiu-se para Alter. A primeira coudelaria tinha 300 das mais finas éguas andaluzas levadas para Portugal da região de Jerez de la Frontera, o mais famoso centro espanhol de criação. Floresceu em Alter, fornecendo montarias para a corte. E a raça ficou conhecida graças às apresentações promovidas em Lisboa. No começo do século XIX, todavia, muitos dos cavalos se perderam ou foram roubados com o saque do haras pelas tropas napoleônicas do general Junot. Em 1934, outros desastres sobrevieram e culminaram com o fechamento dos estábulos reais. Uma reorganização chegou a ser ensaiada sob D. Maria Pia, no fim do século, com a introdução se sangue estrangeiro Inglês, Normando, Hanoveriano e, principalmente, Árabe. Os experimentos foram mal sucedidos e a raça quase se arruinou. Foi salva pela importação de cavalos Andaluzes. Os arquivos dos estábulos foram destruídos com o advento da república (1910), e só em 1932 o Ministério da Economia tomou a iniciativa de reconstituir a criação dos Alter-Reais.

Características: a despeito das vicissitudes por que a raça passou, o Alter moderno virtualmente Andaluz outra vez, sobrevive como um cavalo valente, de caráter físico peculiar e ação extravagante, vistoso, altamente apropriada à Haule Ecole (Alta Escola). Dele descendem os Mangalargas Paulista e mineiro, trazidos por D. João VI em 1807.

Influências: Espanhol. A grande coragem e o caráter próprio, inconfundível.

Altura: entre 1,52 e 1,62 m.

Cores: marrom, castanho, alazão.

Usos: sela, desportos, adestramento.

Appaloosa

O gene que faz o cavalo sarapintado é tão antigo quanto o próprio eqüídeo (havia cavalos malhados na China e na Pérsia), mas o crédito pela criação de uma raça distintiva por sua pelagem cabe modernamente aos índios Nez Persé da América do Norte, que vivem no noroeste do atual estado do Oregon. Suas terras incluíam o vale do rio Palouse, que foi o rio que de  nome aos cavalos.

Criação: a raça desenvolveu-se no século XVIII, com base nos cavalos trazidos pelos espanhóis. Nesse lote havia exemplares de pelagens sarapintadas descendentes remotos de cavalos da África Central. Os Nez Persé, que eram grandes criadores de cavalos, praticavam rigorosas políticas selectivas. Finalmente obtiveram um cavalo capacitado para qualquer trabalho, de aspecto inconfundível, além de essencialmente pratico. Em 1877, a tribo e a sua bela manada quase foram exterminados quando o governo da união ocupou as reservas. Todavia em 1938, com a formação do Appaloosa Horse Club, em Moscow, Idaho, a raça começou a renascer das cinzas. Seu registro é hoje o terceiro mais numeroso do mundo.

Características: Appaloosa moderna é reprodutor, mas também animal de competição (corridas e saltos) pela consistência, vigor e boa índole. A cinco pelagens oficiais da Appaloosa: Blanket (cobertor), marble (mármore), leopard (leopardo), snowflake (floco de neve) e frost (geada).

Influências: Espanhol. Acrescentou força, resiliência, adaptabilidade - e a pelagem mosqueada.

Altura: entre 1,47 e 1,57 m.

Cores: sarapintado.

Usos: sela.

 Árabe (o filho do vento)

É a raça eqüina mais antiga do mundo. Sua origem perde-se na noite dos tempos. Os mais remotos registrados de sua presença foram encontrados na câmara mortuária do Faraó Pihiri, que viveu no século XX a.C.

Criação: sempre criado pelos beduínos do interior da península arábica com fervor, porque eles sabiam que os animais extremamente rústicos sobreviviam às agruras do deserto com temperamento excessivamente quente de dia e noites muito frias no regime de pouca água e quase nenhum alimento. Sua resistência às intermináveis deslocações das tribos à procura de novas pastagens é outra características universalmente reconhecidos. Foi usado desde tempos imemoriais pelos beduínos como meio de transporte, na caça e nas constantes guerras intertribais, sendo a mais veloz das raças eqüinas em estado natural. Dócil e obediente, sua beleza física inspirou poetas, pintores e escultores desde tempos antigos. Sua resistência e rusticidade tornou a montaria de generais famosos como Alexandre, o grande, Napoleão Bonaparte, Reis e Príncipes.

Características: é o mais harmonioso dos cavalos. Sua silhueta e inconfundível. Cabeça pequena, sempre alta, com perfil ligeiramente côncavo; olhos redondos, grandes e vivos; pescoço longo finamente arqueado; espáduas inclinadas, lombo curto, garupa quase horizontal, cauda alta com fios sedosos e longos, quando em movimento estes se elevam até a vertical. Pernas fortes, boa musculatura, andar largo e cascos duros como marfim. Sua aparência geral detona força e vitalidade. Ao contrario das outras raças que possuem dezoito costelas, seis vértebras lombares e dezoito vértebras na cauda, o Árabe tem, respectivamente, dezessete - cinco - dezesseis. Ele e o PSI são criados em todos os países do mundo e os stud books são aprovados e dirigidos WAHO (World Arab Horse Oraganization), ao qual Portugal também filiado.

Altura: entre 1,47 e 1,57 m.

Cores: tordilho, castanho, alazão, preto.

Usos: sela, corridas, saltos de obstáculos, lida do gado, lazer e circo.

Berbere

O Berbere perde apenas para o Árabe como um dos fundadores da população eqüina no globo. O cavalo Espanhol, dele derivado, serviu de base às principais raças européias e a muitas das americanas. O Berbere desempenhou também papel na evolução do Thoroughbred inglês (PSI).

Criação: A raça é originária de Marrocos, na África do norte. Acredita-se que se tenha formado de cavalos selvagens sobreviventes da era glacial. Se isso for exato, o Berbere é tão antigo quanto o Árabe. Em algum momento da evolução, deve ter recebido uma infusão de sangue Árabe, mas  a sua conformação nada deve ao ideal Árabe - o que indica a existência de um gene poderoso, maciçamente dominante. Nos últimos anos tem havido um grande refinamento do Berbere tradicional - montaria suprema dos cavaleiros Berberes que tiveram parte tão saliente nas conquistas muçulmanas na Idade Média. Embora não haja respostas definitiva à controvertida questão da origem do cavalo Berbere, é pacífico existirem diferenças fundamentais entre o Berbere e o Árabe.

Características: o Berbere não impressiona à primeira vista: tem a garupa caída, a cauda de implantação muito baixa, e uma cabeça sem nada de especial, com formação craniana que se assemelha a dos cavalos primitivos. O perfil é reto, e o chanfro às vezes, romano. Não obstante, a resistência e o vigor do Berbere são ilimitado, indicando uma disposição à toda prova. É cavalo de excepcional agilidade, capaz de cobrir com grande velocidade distancias curtas.

Altura: cerca 1,50 m.

Cores: tordilho, castanho, alazão

Usos: sela.

 Crioulo

Embora seja cavalo nativo da Republica Argentina, o Crioulo pode ser encontrado sobre formas ligeiramente diferentes e uma grande variedade de nomes, em todo o continente Sul Americano. No Brasil, por exemplo, é o ‘Crioulo Brasileiro’. Na Argentina, o Crioulo é a montaria indispensável do gaúcho, o comboy dos pampas, e teve importante papel no surgimento do famoso Polopony dos país.

Criação: O Crioulo e descendente direito do cavalo espanhol trazido pelos descobridores do século XVI. Esses cavalos tinham sangue berbere. As primeiras importações de vulto para o vice-reinado do Prata foram feitas em 1535 por D. Pedro Mendoza, o fundador de Buenos Aires. Mais tarde, quando a cidade foi saqueada pelos índios, esses cavalos se espalharam por vastas áreas do campo e procriarão livremente - dai a disseminação.

Características: o Crioullo é um dos cavalos mais fortes e mais saudáveis que existe, um atributo à sua as centralidade espanhola. É capaz de viver em condições de extremo calor o frio com  mínimo de alimentação, tem incrível resistência e é famoso pela longevidade.

Influencias: Espanhol. Contribui para a excepcional fortaleza e resistência da raça.

Altura: entre 1,42 e 1,52 m.

Cores: castanho, baio.

Usos: sela.

Falabella

As causas naturais de pequenas estatura em eqüinos são de ordem ambiental: severas condições climáticas combinadas com escassez de alimento. É possível, no entanto, obter cavalos miniaturas ou de grande porte. Os de pequeno porte têm sido criados pelo homem através da história, às vezes como animais de estimação, outras simplesmente para satisfazer a curiosidade. O melhor exemplo disso é o Falabella, considerando um cavalo miniatura e não um pônei, por sua proporções e seu caráter.

Criação: tira o seu nome da família Falabella, responsável pela evolução da raça no ranço Recreio de Roça, nas imediações de Buenos Aires, Argentina. Cruzaram-se os mais pequenos Shetland disponíveis com um PSI de porte reduzido; e a partir dessa primeira operação, praticou-se a endogamia, sempre com os menores exemplares obtidos por cruzamentos seletivo. O alvo perseguido era um espécime eqüino quase perfeito, mas miniatura. Acontece, que um processo desses pode resultar em defeitos de conformação e uma indesejável perda de vigor. Diz-se que os Falabellas são bons para o tiro mas não como montaria. Um dos menores exemplares conhecidos foi a égua chamada Sugar Dumpling, de Smith McCoy, de Roderfield, Virgínia, Estados Unido. Media 51cm de altura e pesava 13,6kg.

Características: defeitos de conformação como jarretes fracos, membros tortos e cabeças pesadas são comuns em qualquer raça miniatura. E, no entanto, os melhores exemplares de Falabella ostentam muitas das qualidades de um bom Shetland . como animais de estimação, eles se mostram afetuosos e inteligentes. Sua pelagem pode apresentar atraentes padrões, inclusive pintados.

Influências: Shetlands. A base foram os Shetlands, cruzados com pequenos PSI.

Altura: até 60 cm.

Cores: todas, inclusive combinadas.

Usos: inovadores.

Hunter (caçador)

O ‘caçador’ é um tipo de cavalo peculiar à Inglaterra e à Irlanda. Não constitui, a rigor, uma raça, de vez que lhe faltam características comuns fixas e ele pode variar segundo as exigências do país em que é montado. Num país de prados e cercas vivas - como as famosas hedges da Grã-Bretanha, algumas com milhares de anos -, um cavalo do tipo do Thoroughbred é que seria de desejar. Quando a velocidade não é requisito essencial, um cavalo mestiço confiável e sensível, bom saltador, é mais apropriado.

Criação: os melhores cavalos de caça são os criados na Inglaterra e na Irlanda, onde esse desporto faz parte da vida rural há séculos. Cavalos de caça irlandeses e ingleses são, em geral, produto do cruzamento de Irish Draughts com Thoroughbreds. Muitos têm também sangue pônei, alguns de Cleveland bay, outros, até, de cavalos de tração pesada. Seja qual for a mistura, os melhores caçadores têm sempre uma boa proporção de sangue de  Thoroughbred para dar-lhes coragem, velocidade e aptidões atléticas.

Características: um cavalo de caça deve ser bem proporcionado, saudável e dono de todos os atributos de conformação de um bom cavalo de montaria. Deve ser equilibrado razoavelmente rápido e audaz o bastante para enfrentar qualquer espécie de obstáculo nas condições da sua função. Deve ser calmo, ter boas maneiras e constituição robusta.

Influências: Thoroughbred. Liberdade de ação de arrojo. Irish Draught: Ossatura (bone), substância e sensibilidade. Cleveland Bay: Bone, porte, aptidão para o salto.

Altura: entre 1,62 e 1,67 m.

Cores: todas, inclusive compostas

Usos: sela

Lusitano

O Lusitano faz-se notar como um vistoso cavalo de carruagem, bem como de sela. Foi, em tempos idos, a montaria dos cavaleiros portugueses. É ainda o cavalo favorito dos toureiros portugueses e, nesse papel, é treinado nos movimentos mais avançados da Haute École. Nos últimos anos, tornou-se popular fora da península ibérica e tem admiradores entusiastas nas Ilhas Britânicas, nos Estados Unidos e principalmente no Brasil.

Criação: a raça é, com feito, a versão portuguesa do Andaluz, difícil de distinguir do modelo, embora seja possível, em muitos casos, perceber ligeiras diferenças.

Características: embora possa ter pernas mais compridas que o Andaluz, aos olhos da maior parte dos especialistas o inteligente Lusitano é tão bravo, tão rápido e tão soberbamente equilibrado quanto o cavalo Espanhol. Seus movimentos, naturalmente elevados, são espetaculares; e a agilidade, surpreendente.

Influências: Berbere. A natureza árdega, a bravura, força, robustez e grande agilidade. Sorraia: raça de base, ‘primitiva’, responsável pelo vigor e pela resistência. 

Altura: varia entre 1,52 e 1,62 m.

Cores: tordilho, castanho, alazão.

Usos: sela, tiro, touradas, adestramento, shows.

Morgan

O Morgan tem uma peculiaridade: a raça nasceu de um único reprodutor excepcionalmente prepotente, que se chamou, de início, Figure, mas ficou depois conhecido pelo nome do seu segundo dono, o professor Justin Morgan, que o recebeu em pagamento de uma dívida (1975). Cavalo de passeio e, cada vez mais, de competição, de sela e de tiro por igual, o Morgan foi, até a mecanização, o cavalo de remonta do exército americano. Uma estátua  de Justin Morgan na Morgan Horse Farm da universidade de Vérmont, é um memorial permanente a um dos mais extraordinários cavalos do mundo.

Criação: o garanhão que fundou a raça nasceu em 1789 ou 1793 em West Spingfield. Massachusetts e viveu em Randolph, no Vermont. Trabalhou  duro puxando, arado, carregando madeira e limpando florestas para plantação. Tomou parte em inúmeras competições de velocidade e tração e nunca foi vencido. Todos os Morgans descendem dele. Sua própria origem é ainda objeto de discussão. São três as teorias principais: seria filho de um Thoroughbred, Tru Briton; de um Frísio importado; ou de um Welsh Gob, o que não é impossível.

Características: o Morgan foi deliberadamente condicionado para exibir uma andadura elevada, pomposa. Mas se os cascos são aparados de modo normal, o cavalo se move livremente no quadro das andaduras tradicionais sem levantar indevidamente os jarretes. A raça é resistente, tem grande exuberância e vigor excepcional. Mais refinado na aparência que o arquétipo antigo, mas parrudo também, o Morgan moderno é fogoso, mas inteligente e fácil de adestrar.

Influências: árabe. contribuição possível mas não documentada. Thoroughbred: O sangue thoroughbred pode ter tido papel significativo nos primeiros tempos.

Altura: entre 1,47 e 1,57 m.

Cores: todas, exceto Tordilho

Usos: sela, tiro.

Orlov trotter

Antes da revolução de Outubro, a criação de cavalos estava nas mãos da aristocracia latifundiária. O notável criador Conde Alexei Orlov criou o Orlov Trotter no seu haras de Kherenov. Embora destinado às corridas, o Orlov foi também criado como cavalo de carruagem e a auxiliar na agricultura.

Criação: o Conde Orlov começou o seu programa de criação em 1778, cruzando um reprodutor árabe de cor branca, Smetanka com uma variedade de éguas. Polken I, descendente direito de Smetanka e filho de uma égua dinamarquesa Warmblood foi acasalado com uma égua holandesa Warmblood, de cor russa gerando Bars I (1784), o fundador da raça Orlov. Bars I foi, cruzado com éguas árabes, dinamarquesas, holandesas e inglesas mestiças. Consegui-se o tipo desejado por endogamia com o próprio Sir fundador. Corridas e avaliações sistemáticas de desempenho aperfeiçoaram a raça. Orlovs foram também cruzados ocasionalmente com Standardbreds para obter Russian Troters, mais velozes porém menos úteis.

Características: o Orlov é um cavalo alto de compleição leve, é musculoso e muito bem proporcionado.

Influências: Norfolk Trotter. Transmitiu uma constituição robusta e excelência do trote. Árabe: Usado para refinar a ‘matéria prima’ rústica, de utilidade agrícola. Holandês: Porte substância índole tranqüila e estável. Thoroughbred: Maior capacidade física, melhor ação e velocidade.

Altura: cerca de 1,62 m.

Cores: tordilho, castanho, negro 

Usos: sela, tiro

Paint horse

A duas sociedades nos EUA para este tipo de cavalo - a Pinto Horse Association e American Paint Horse, ambas sedeadas em Fort Worth, Texas. A Pinto Horse Association registra qualquer espécie de cavalo que preencha seus requisitos de cor. Ela classifica-os em stock type (reprodutor estabulado), hunter (caçador), pleasure type(de estimação), saddle type (de sela). American Paint Horse Association registra reprodutores com sangue de Paints, Quarter Horse, Thoroughbreds.

Criação: o Pinto descende dos cavalos espanhóis trazidos para a América no século XVI. Até aos séculos XVIII e XIX, uma linhagem de cavalos pampas ou pintados, derivados de sangue espanhol, ainda existia na Europa. O nome ‘pinto’ vem dos espanhol pintado, que se tornou, para os cowboys do Oeste americano, paint. Cavalos com mais de uma cor ou mosqueados eram também chamados de Calicos.

Características: são dois os tipos de coloração: ovaro, e tobiano. Ovaro é a pelagem com a cor básica de acompanhada de grandes manchas brancas irregulares; Tobiano é a pelagem de fundo branca com grandes irregularidades de cor. É difícil dar ao Pinto status de raça, no sentido tradicional da palavra devido à falta de consistência do tipo e do tamanho. É mais uma pelagem.

Influencias: atributos físicos, bem como os diversos tipos de coloração.

Altura: entre 1,52 e 1,62 m.

Cores: compostas

Usos: sela

Passo

O Passo peruano, ou ‘cavalo marchador’ tem os mesmos antepassados que o crioulo argentino. Distingue-se por sua andadura, conhecida por lateral gait, e uma conformação particular, preservada e confirmada pela criação seletiva à três séculos ou mais.

Criação: a criação é dirigida para  aperfeiçoamento da andadura natural, o passo. Este tipo e ação comporta um movimento vigoroso rotativo das pernas dianteiras, garantido pelo emprego firme das pernas traseiras, enquanto a garupa é conservada baixa. Mesmo em terreno acidentado, a andadura pode ser mantida por vários períodos.

Características: a raça é muito forte. As pernas traseiras e suas quartelas são cumpridas; e as juntas, em geral, extremamente flexíveis. Esse conjunto de fatores contribui para o celebrado conforto do passo como andadura.

Influências: Espanhol. As antigas andaduras típicas dos espanhol são responsáveis pelo passo.

Altura: entre 1,42 e 1,52 m.

Cores: todas, simples

Usos: sela

Quarter horse

O Quarto de milha, o primeiro de todos os cavalos americanos de raça, é tido como “o mais popular do mundo”. Mais de três milhões estão registrados na American Quarter Horse Association, fundada em Forct Worth em 1941.

Criação: selecionada nos Estados Unidos da América, a partir dos cavalos selvagens "Mustangs" de origem berbere e árabe, introduzidos na América pelos colonizadores espanhóis. A partir de 1611, com a chegada de algumas éguas vindas da Inglaterra, cruzadas com os garanhões "Mustangs", deu como resultado animais compactos, extremamente dóceis, muito musculosos e capazes de percorrerem pequenas distâncias com mais rapidez que quaisquer outras raças. Sua seleção foi direcionada para produzir animais de trabalho e lida com o gado, tornando-o imbatível para a condução do gado e captura de reses desgarradas, graças à sua velocidade em curtas distâncias. Atualmente cruzados com o Puro Sangue Inglês dão excelentes animais de corrida, imbatíveis nas curtas distâncias. O Quarto de Milha foi introduzido no Brasil em 1954, por iniciativa da empresa King Ranch, na região de Presidente Prudente.

Características: cavalos muito versáteis, dóceis, rústicos e inteligentes com altura média de 1.52m,cabeça pequena, fronte ampla, perfil reto, olhos grandes e bem afastados. Pescoço piramidal com linha superior reta, dorso e lombo curtos, garupa levemente inclinada, peito profundo, membros fortes e providos de excelente musculatura, olhos grandes e bem afastados. Pescoço piramidal com linha superior reta, dorso e lombo curtos, garupa levemente inclinada, peito profundo, membros fortes e providos de excelente musculatura.

Influências: Espanhol. Contribui para a agilidade e solidez da constituição. Thoroughbred: Melhorou a velocidade, a conformação e o movimento.

Altura: entre 1,52 e 1,62m.

Cores: todas, simples

Usos: sela, lida com gado

Saddlebred

O mais famoso dos cavalos americanos, o Saddelebred já foi chamado Kentuchy Saddler. Oriundo dos estados do sul, onde sempre teve múltiplas aplicações, é tido hoje como um brilhante (se não amaneirado) cavalo de exibição, quer como montaria, quer como animal de tiro.

Criação: o Saddlebred provém do velho Narragansett Pacer, cavalo de utilidade nas plantações de Rhode island, e do Canadian Pacer, ambos marchadores. A raça foi refinada e adquiriu a aparência que hoje ostenta e tanta impressão causa pela velocidade e perfeição de movimentos graças à introdução de sangue Morgan e Thoroughbred.

Características: cavalo imponente, de grande presença e vivacidade, o Saddlebred executa com perfeição as andaduras passo, trote e cantêr. Chamaram-no, por isso three-gaited. As duas andaduras adicionais, exibidas por um cavalo de cinco marchas (five-gaited) são a slow gait, em que ele se pavoneia, arrogante; e a rack, que é um trote duro, acelerado, de tirar o fôlego. Quando seus cascos são aparados normalmente, o Saddlebred pode ser usado como montaria de passeio.

Influências: Thoroughbed. Qualidade, ímpeto, brilho nos movimentos. Norfolk Roadster: Fonte de facilidade para o trote e da elegante silhueta. Narragansett Pacer: Responsável pelas andaduras especiais. Espanhol: Responsável pelas andaduras clássicas espetaculares, e também por sua capacidade de resistência e robustez.

Altura: varia entre 1,52 e 1,62 m.

Cores: todas, simples

Usos: sela, tiro

Shagya árabe

O mais famoso produto das grandes coudelarias húngaras do século XIX é o Árabe Shagya, criado especificamente como cavalo de sela de qualidade e substância para incomparável cavalaria ligeira do reino. O Shagya actual não degenerou: é tão bom de sela quanto de tiro. E muitos são capazes de brilhar em competições eqüestres, inclusive de salto.

Criação: o centro do Shagya é o haras de Babolna, fundado em 1789. Depois de 1816, Babolna concentrou-se na criação de puros Árabes ‘do deserto’; e depois, cada vez mais, na de mestiços da ‘raça árabe’. Estes eram descendentes de garanhões puros sangues e éguas predominantemente Árabes mas com sangue Espanhol, Húngaro e Thoroughbred, e eram maiores do que um Árabe comum (tinha 1,52m). Proveniente da Síria, chegou a Babolna em 1836. Descendentes dele podem ser ainda encontrados em Babolna e em outras áreas da Europa.

Características: o Shagya é inteiramente árabe no aspecto e no caráter, mas é o maior e tem mais substancia e ossatura do que muitos dos cavalos Árabes modernos. A cernelha é menos pronunciada; e as fortes espáduas mais obliquas. As pernas posteriores, muitas vezes alvo de critica (legitima) aos cavalos árabes, são notavelmente corretas nos Shagya.  

Influência: Árabe. A superioridade da raça Árabe desempenhou grande papel ao desenvolvimento do Shagya.

Altura: cerca de 1,52 m.

Cores: todas, simples e uniformes

Usos: sela, tiro

Sorraia

Acredita-se que os primeiros cavalos domesticados na Europa tenham sido os da Península Ibérica. Hoje descendentes desses equinos primevos, i.e., das raças fundadoras, ainda podem ser vistos tanto em Portugal como na Espanha. Entre eles estão os da raça chamada Sorraia, em muitos dos quais a cor e a conformação têm extraordinária semelhanças com as do Tarpan e com o mais refinado Garrano ou Milho, de raízes idênticas porém habitat mais para o norte, nos vales de Garrano do Milho e Trás-os-Montes.

Criação: o Sarraia vivia nos campos que ficam entre os rios Sor e Raia; e durante anos a famosa família d’Andrade conservou uma manada deles em estado selvagem. É de crer, e já foi dito que esses animais, depois de submetidos à poderosa influência dos cavalos Berberes da África do Norte, tenham contribuído para o renomeado cavalo Espanhol e, através do sangue difundido dessa estirpe, para uma variedade de raças diferentes.

Características: durante séculos, o Sorraia foi usado por vaqueiros locais e para o trabalho agrícola leve Não pode ter sido considerado, a esse tempo um espécime sobremodo atraente. Pois não obstante, e malgrado a cabeça pesada e a cauda caída, conservou ele todo o vigor dos seus antepassados selvagens.

Influências: Tarpan. Na raiz da raça, deu-lhe a excelência da compleição básica. Berbere: Melhorou os movimentos, aumentou-lhe o tamanho e acrescentou o caráter fogoso.

Altura: varia entre 1,27 e 1,32 m.

Cores: cinza-pardacento

Usos: bravio, leve trabalho agrícola.

Thoroughbred (PSI)

O Thoroughbred (ou PSI) é a raça de corrida que vemos nos clube jóqueis. É o mais veloz dos eqüinos e a base de uma imensa indústria multinacional de criação e corridas.

Criação: a raça originou-se na Inglaterra nos fins do século XVII e princípios do XVIII com a importação de cavalos Árabes da Arábia. Um fato incrível é que todos os PSI do mundo são descendentes direitos pela linhagem paterna de três garanhões puro-sangue Árabes: o Byerley Turco importado em 1684, o Darley Árabe em 1704 e o Ggolphin Árabe (algumas vezes impropriamente chamado de Berbere) em 1731. Além desses três, houve muitos outros reprodutores e matrizes Árabes, sendo que em sua origem a raça estava saturada de sangue Árabe e em pequenas escalas de Berberes.

Características: raça selecionada para corridas curtas em distâncias de mil a dois mil metros, em pistas planas, pilotados por leves jóqueis de 60kg. São animais muito velozes e bem proporcionados, possuindo grande capacidade atlética e considerável vigor físico e mental. É corajoso, mas também nervoso e excitável, com temperamento às vezes difícil.

Influências: Árabe. Velocidade, beleza e disposição atlética. Contribuição decisiva. Berbere: Contribuiu com velocidade, ardor e grande agilidade. Galloway: Deu contribuição mínima ao PSI.

Altura: varia entre 1,62 e 1,67 m.

Cores: tordilho, castanho, alazão.

Usos: sela, corridas planas, desportos hípicos.

Welsh cob

O Welsh Cob, com sua andadura de trote explosivo, desperta tão grande fervor na sua pátria quanto os coros galeses ou o ruby no Cardiff Arms Park. É ele o sucessor natural da grande tradição do Norfolk Roadster, que teve, aliás, papel na sua evolução. Como animal de tiro, nenhum outro o supera em impero e bravura; como montaria, é um audacioso corredor, com grandes qualidades para o salto.

Criação: o Welsh Cob (secção D no stud book) é, em matéria de perfeição, uma versão ampliada do Welsh Mountain Pony, de quem descende. Esses pôneis foram cruzados com animais dos romanos e, depois, nos séculos XI e XII, com cavalos Espanhóis para produzir o Powys cob e um outro animal, mais pesado, o Welsh Cart Horse. Nos séculos XVIII e XIX, novos cruzamentos, agora com Norfolh Roadters e Yorkshire Coach Horses, mais uma miniatura de sangue Árabe, resultaram no Cob moderno. Já houve, no passado, um florescente mercado de Cob para aplicação militar (Infantaria montada, tração de canhões). E até à década de 1960, Cobs foram utilizados, em grandes números, no transporte de pão, e outros artigos nas cidades grandes.

Características: Welsh Cob: tem ainda alguma procura como cavalo de sela e de tiro. Cruzado com Thoroughbred, produz excelentes cavalos de competição. O Cob é excepcionalmente robusto na constituição e tem grande resistência.

Influencias: Welsh A. Base do Cob responsável pela andadura e solidez. Espanhol: Melhorou tamanho e força contribuiu para a bela postura. Norfolk-Roadster: A boa qualidade do trote e a robustez.

Altura: entre 1,47 e 1,57m.

Cores: todas, simples e uniformes.

Usos: sela, tiro.

Galiceno

O galiceno, pônei do México, é outro exemplo do legado espanhol às Américas. A partir de 1950, a raça se espalhou para o norte, passou aos Estados Unidos, e foi reconhecida no país em 1958. É vista como ‘ponte’ ideal para jovens cavaleiros, transição pôneis para cavalos.

Criação: o galiceno, como o nome indica, originou-se na galícia, província do noroeste da Espanha, afanada, desde a antiguidade, por seus cavalos de andadura macia. O galiceno actual ainda se distingue por essa qualidade e pela rapidez, muito louvada na Inglaterra elisabetana. Os ancestrais desses ‘cavalinhos’ estariam entre os eqüídeos trazidos pelos espanhóis da Hispaniola para o continente no século XVI, talvez descendentes das Sorraias e Garranos (diferentes nomes para o mesmo cavalo) indígenas da Península Ibérica.

Características: o galiceno é resistente e robusto, tratável, inteligente, versátil. Sua natural agilidade e velocidade lhe garantem a popularidade como pônei de rancho e de competições. É usado como animal de transporte.

Influência: Espanhol. Contribui para a sua aparência, constituição e espírito.

Altura: cerca de 1,42 m.

Cores: todas, desde que uniformes.

Usos: sela, tiro.

Cavalo finlandês

Em tempos passados havia duas raças finlandesas: a Finnish Draught (‘de tiro’) e a Finnish Universal (‘para toda obra’). Ambas eram criadas considerando a actuação e o desempenho e não a aparência. O Finlandês destinado à tracção, o mais pesado dos dois, era um animal possante de aspecto comum mas andadura viva e rápida. O Universal, mais leve, podia ser montado, usado para puxar cargas de peso moderado e, principalmente para corridas atrelado a viaturas ligeiras. A partir da década de 1970, acentuou-se a preferência geral por cavalos utilitários mais leves, embora haja ainda papel para os demais na lavoura e, sobretudo na silvicultura.

Criação: o Finlandês descende, provavelmente de antigas raças europeias de cavalos pesados e ligeiros, cruzadas com raças warmblood e coldblood. Um livro de registros de pedigrees foi aberto em 1907, tanto para os animais leves quanto para os pesados dessa raça, e se instituíram rigorosamente testes de desempenho para os dois tipos.

Características: o Finlandês, sereno e equilibrado, tem, a despeito do seu arcabouço relativamente leve, a força da tração de um cavalo muito mais pesado. E a isso se combinam, com rara facilidade, o caráter, a rapidez e a agilidade das raças ligeiras. É resistente, longevo, dono de notável robustez. Seria ocioso dizer que impressiona também por sua constituição. A inclinação dos quartos a partir da garupa e, ainda, a acentuada extensão do dorso, são típicas do cavalo de tiro destinado a competições e reflete a mudança de ênfase ocorrida na criação do Finnish Horse.

Influências: pónei finlandês. Os pôneis nativos, notáveis pela resistência deram uma sólida base para cruzamentos com raças de fora. Oldenburg: Fixou o caráter do Finlandês e acrescentou-lhe porte e ação.

Altura: cerca de 1,57.

Cores: todas.

Usos: tração ligeira.

Danish warmblood

Representantes de uma das raças mais recentes da Europa, criada à propôs para competições, os cavalos Danish Warmblood só tiveram stund book próprio na década de 1960. Em tempo curto, porém os criadores dinamarqueses produziram um animal de qualidade superior e versatilidade maior que a de muitos cavalos europeus de reputação firmada.

Criação: a Dinamarca tem tradição eqüestre. Monges cistercianos do século XIV costumavam cruzar, no Holstein (ducado dinamarquês até 1864), cavalos Espanhóis da melhor categoria com éguas de grande porte, nativas da Alemanha sententorial. Um dos resultados disso foi Frederiksborg. O Danish Warmblood tem por base o Fredericksborg cruzado com Thoroughbreds ingleses. As éguas locais resultantes dessa operação eram então acasaladas com garanhões Anglo-Normandos (Selles Français), com Thoroughbreds e com Trakehners. O produto era aperfeiçoado para tornar-se um cavalo saudável e robusto, de excelente conformação, estável, largo escopo de ação e aptidão para o galope. A participação do hanoveriano prima pela ausência no caldeamento do Danish Warmblood, o que pode ter contribuído para o seu caráter singular se comparado com outros Warmbloods.

Características: os melhores cavalos dinamarqueses têm um perfil de Thoroughbred combinando substância, força e boas pernas. Corajosos e árdegos, têm excelente temperamento e ação. São brilhantes animais de dressage, com desempenho de primeira classe no cross-country.

Influências: Fredericksborg. Os fundamentos, o porte vistoso, a elegância como cavalo de sela. Trakehner: Usado por seu tipo fixo e conformação correta. Psi: Deu-lhe melhor qualidade, rapidez e desempenho.

Altura: cerca de 1,67 m.

Cores: todas, uniformes.

Usos: sela.

Frederiksborg

No século XVI, a Dinamarca era um dos centros principais de criação de elegantes e ativos cavalos de sela e de cavalos de batalha de grande categoria. Esses cavalos, ditos ‘Frederiksborgs’, eram produto de uma coudelaria fundada pelo rei Frederico II, em 1562. Pluto, cavalo branco ‘Espanhol’, e um dos fundadores da linhagem Lipizzaner que leva o seu nome, era um Frederisborg, nascido no haras da corte da Dinamarca em 1765.

Criação: a raça descende efetivamente de cavalos Espanhóis. Só posteriormente se acrescentaram a essa base de elementos de cavalos afins, Napolitanos, (Nápoles esteve sob o domínio espanhol de 1503 a 1734). No século XIX ocorreram outros cruzamentos agora com garanhões Árabes e mestiços (halfbred) Ingleses. O resultado foi um esplêndido cavalo de montariam, empregado com êxito para melhorar outros cavalos do país, como o Jutland. A exportação indiscriminada exauriu, porém, as caudelarias do reino, que passaram a criar PSI  e a raça original por pouco não desaparecia. Durante algum tempo, criadores independentes asseguraram a sobrevivência dos Frederiksborgs, embora reduzidos a puxadores de carruagens. Mas a crescente demanda de cavalos de sela acabou por generalizar a criação de PSI, e é improvável que ainda existam representastes legítimos da antiga raça.

Características: embora cavalo de sela, o Frederiksborg sempre conservou suas qualidades de cavalo de carruagem: robustez e andadura aristocrática.

Influências: espanhol. Responsável pela elegância e pela presença majestosa.

Altura: cerca de 1,60 m.

Cores: castanho

Usos: sela

Oldenburg

O Oldenburg foi criado no século XVII como cavalo de carruagem capaz de enfrentar com galhardia caminhos difíceis e de desempenhar também, a conno, tarefas agrícolas. Desde então, a raça vem se adaptando continuamente a outras exigências graças a uma criação hábil e cuidadosamente controlada. Dos WarmBloods, o Oldenburg é ainda o mais possante e o mais apropriado para o dressage ou como animal de competição.

Criação: a raça, baseada na Frigia, originou-se nas províncias de Oldenburg e Ost-Friesland, hoje Alemanha. Deve sua instituição ao conde Anton Gunther von Oldenburg (1603-1667), que usou para formá-la sangue Espanhol e Napolitano. Garanhões ingleses mestiços foram introduzidos no fim do século XVIII; e Thoroughbred e alguns Cleveland Bays, por volta de 1897. também um cavalo Normando - Normann 700 -, produto hídrico de Norfolk Roadsters e mestiços ingleses, teve grande participação. E quando a ênfase se deslocou para a produção de cavalos de montaria, outro espécime Normando - Condor - foi usado, bem como um Thoroughbred - Lupus. Cruzamento recentes têm sido efectuados também com Thoroughbreds e, ocasionalmente, com Hanoverianos.

Características: o Oldenburg é hoje um cavalo magnífico, de temperamento calmo e estável. Tem andadura correcta, rítmica, apesar de certa dúvida sobre a movimentação do joelho. E, o que é de surpreender em cavalo arcabouço tão grande, o Oldenburg se faz adulto depressa.

Influências: normando. Transmitiu-lhe as qualidades dos mestiços ingleses. Thoroughbred: Melhorou a raça e tornou mais leves os Oldenburg, no início pesados. Frísio Foi a contribuição principal resistência, economia, docilidade no treino.

Altura: entre 1,67 e 1,78 m.

Cores: todas, uniformes

Usos: sela, tiro

Retirado do livro "Cavalos" - Autor: Elwyn Hartley Edwards - Editora: Ediouro